domingo, 22 de junho de 2008

Os Jogos Violentos


No domingo dia 25-05 vi uma reportagem no Fantástico sobre alguns jogos de violência que tiveram o seu comercio proibido no Brasil. Estão entre eles, Counter-Strike e Everquest.

O motivo é que, segundo o Ministério Público, eles incentivam o uso da violência podendo gerar até uma série de deturpações psicológicas para o jogador, induzindo-o inclusive a cometer crimes. Normalmente são jogos onde o jogador tem que matar para ganhar pontos, e geralmente os modos utilizados vão desde a armas potentes até ao uso da própria força, transformando o alvo em puro sangue, carne viva e muitas vezes mutilada. E quanto mais se mata, melhor, mais pontos se acumula.

Não é de hoje que jogos violentos são motivo de polêmica na sociedade. Lembro-me quando quiseram proibir a circulação do inesquecível Mortal Kombat, justamente sob o mesmo argumento de incentivo à violência. E assim sempre foi até os dias de hoje, onde os jogos são cada vez mais sofisticados com os seus gráficos bem elaborados e trilhas sonoras que nos fazem até gravá-las no MP4 para ir ouvindo no caminho do trabalho, e alguns tão próximos da realidade que chega a nos deixar de boca aberta.

Desde pequeno eu jogo esses jogos violentos, e desde pequeno conheço pessoas que jogam e adoram esses jogos violentos. E nem por isso eu saio por ai matando todo mundo e nem conheço, pelo menos até agora, alguma pessoa que tenha se influenciado dessa forma e praticado algo do tipo.

Há jogos que eu até concordo que devem ser banidos como aqueles que incentivam o bullyng (agressão psicológica violenta, tipo um aluno na escola que sempre é alvo de fortes humilhações), o racismo e qualquer tipo de preconceito.

Mas cá entre nós, se um pai adora um jogo violento e joga na frente do filho, obvio que ele vai se interessar também. Se ele mora num bairro violento, se assiste a filmes de ação violentos, se toda hora que liga o jornal é um caso de morte aqui, de homicídio ali, de atentado terrorista acolá, ou pior, se há casos de violência dentro de casa, será que proibir certos jogos faria alguma diferença na vida dele?

Não adianta, não se cortará a violência dessa forma. O que precisa se fazer entender é que jogo é jogo, vida real é vida real. Às vezes é bom jogar algo violento apenas para descarregar o stress do dia a dia, e ali sim é o lugar, afinal, você tem na cabeça que aquilo tudo é só um jogo, que nenhum sangue derramado é de verdade e que qualquer boneco que tenha morrido decepado, basta sair e entrar no jogo que ele estará lá novamente, e você não estará fazendo mal à ninguém de carne e osso, estará apenas se divertindo.

A classificação indicativa também é uma ótima maneira até dos pais (os primeiros responsáveis pelo acesso do filho ou não a eles) para que possam controlar e orientar melhor o que os seus filhos andam jogando.

Acho que as autoridades deveriam abrir mais a cabeça e utilizar métodos mais eficazes. Podem ter proibido esses jogos, mas pode ter certeza de que eles continuarão sendo vendidos por aí, e jogados livremente.

E nós sabemos que quando se proíbem coisas assim, aí é que ela vira o centro das atenções, ainda mais quando sua circulação não é efetivamente controlada.

Não precisa pensar muito sobre o porque desses jogos com histórias “realistas” fazem tanto sucesso. Diferente daqueles jogos com monstros e outras ficções, eles simplesmente retratam uma realidade que já existe há muito tempo, quando sequer o Atari existia.

Sendo assim, se a Justiça acha que proibir a venda desses jogos vai mudar alguma coisa, então que aguardem a resposta do tempo, sentados em suas cadeiras ao invés de se preocupar com coisas mais importantes.


FOTO: http://neuralgames.files.wordpress.com/2007/10/violent-games-hb3004-bill.jpg

Em Linhas... Retrô


Se puder, comente.

28 comentários:

J.B disse...

Hum?... Interesante seu ponto d evista em relação a isso, sempre achei um exagero certos jogos, aliás claro com todo mundo já joguei, mais eu sempre fui mais viciado em jogos de inteligência, aqueles que vc tem que desvendar as coisas e ir passando de fase... mais claro que joguei muito jogo d eluta, ganhei um tonrio uma vez numa dessa locadoras uma vez o vencedor ganhava um mês de graça, enfim acho que realmente não ingfluência, até por que se fosse assim, os desenhos animados que passam pela manhã, influenciariam, os filmes, e novelas influenciaraima e os jornais também, na realidade as pessoas que tem esses desvio ultiliza esse artificio do "Fui influenciado" para não admitir que cometeram os cxrimes por implesmente cometer!... gostei do texto, defendeu bem seu ponto de vista, e como dizem não se deve levar tudo que a TV diz aserio nem sempre eles estão completamente corretos!

abraços e parabéns pelo blog!

Google disse...

Sou contra jogos que tem violências.
Uma criânça é autamente influenciavel, elas nao podem ver nada que querem imitar.

Erica disse...

Concordo em parte com o que vc disse,pois se a criança não tiver uma boa orientação familiar e propensão à violência,certamente se tornará uma pessoa agressiva ao utilizar esses jogos.
Cabe aos pais fiscalizar e monitorar o que seus filhos jogam,assistem,e vêem na net mas,infelizmente,esse cuidado é cada vez mais raro.

Flavitcho disse...

Eu não gosto de jogos que têm violência, sabe.
Desde pequeno, aliás.

Euzer Lopes disse...

Quando você cita que gosta de jogos de violência mas não sai matando gente por aí, você simplesmente colocou a essência dos jogos... Uma pessoa esclarecida, de uma boa estrutura, sabe que a violência, ainda que exacerbada, de um joguinho de game (eu, particularmente, não gosto), não é a única... Se fosse nivelar por baixo, não haveria violência nas novelas, filmes, jornais, revistas, telejornais. Mas há. E há por que? Porque no dia a dia a violência impera e muita gente perde tempo falando falando falando e não tem atitude para fazer algo para que isso diminua.

Duper disse...

Joguinhoooos...


http://lavictimaperfecta.blogspot.com/


Post de hj repleto das mais contundentes verdades....



Aliás, blog de cara nova :)

Victor Aguiar disse...

Eu adoro jogos violentos!
E não é culpa do jogo que a criança vai ficar violenta, isso tudo depende.
Se claro não tiver ali uma orientação dos pais, muito provavel que ela seja.

o amnésico disse...

O "poder público" está apenas 'correndo atrás do prejuízo', sendo forte com os fracos e fraco com os fortes, ao invés de atacar as causas reais da violência desenfreada (injustiça social, corrupção, falta de um estado de direito de verdade, etc...); afinal, que mais pode um Estado ausente fazer?

O grande problema não está nas diversões em si, mas em quem usufrui delas; lembra do filme "Clube da Luta"? Eu assisti, entendi e concordei com a mensagem (a do livro é muitíssimo pior, aliás), e nem por isso saí por aí agredindo pessoas que bem mereceriam; um estudante imbecil que tb assistiu achou que devia sair disparando tiros a esmo dentro de uma sala de cinema.

Vivemos num mundo lotado, à beira da falência na verdade; numa situação dessas, qualquer coisa serve para incitar violência sem sentido.

A propósito, não gosto muito desses jogos, sou mais Quake e Mortal Kombat (Sub-Zero!)

:)

o amnésico disse...

Sobre seu comentário lá no 'Notas': veja você, não é só com jogos violentos que se faz catarse! ;)

Quanto a acender a luz, o problema é encontrar o interruptor... =/

Abração!

Thaíssa Vasconcelos disse...

Sinceramente, discordo de você.
Sou contra os jogos violentos. Você diz que não foi influenciado por eles, nem conhece ngm que tenha sido,entretanto não se trata de uma influência direta em todos os casos.
As pessoas (no caso as crianças) aprendem golpes novos, ao invés de estimularem a inteligência e raciocínio lógico, vai dizer que você não percebe aagressividade latente na sociedade em geral???
Não precisamos fortalecer cada vez mais essa característica.

Anderson disse...

Cara, te apoio totalmente, a sociedade onde vivemos naum é violenta como por causa de jogos, ou é??
Jogos são jogos, até hoje nem por isso matei alguém ^^, uahuha, Mas é isso ai, po adrei o blog gostaria de fazer uma parceria???

passa la e avisa?


http://futurovestibular.blogspot.com/


Abraços

Blog Esponja disse...

Eu particularmente acho uma idiotice dizer que a culpa da violência é um filme ou um jogo.
Até concordo em classificar os jogos por idade dependendo do teor de sexo e violência que ele tenha, mas daí proibir é exagero d+.

Se fosse assim só teriamos psicopatas na nossa sociedade pq o que tem de filme, jogos, noticias, novelas, programas policiais, seriados, series americanas... que só falam e mostram violência.

Blog Esponja
www.blogesponja.net

Fernando Gomes disse...

Você retratou meu ponto de vista.
Proibir não vai acabar com a violência. Aliás deveriam fazer fazer proibições de tantas outras coisas.. mas é isso, o governo tá quase sempre preocupado com o supérfulo.

Adianta proibir se existe internet? Ou vão começar a prender uploadrers e bloquear sites também?

Bom post.
;D

http://www.andisaidgoddamn.blogspot.com/

Mila disse...

Olha... pra mim funciona assim.. quando o jogo e violento... eu coloco a minha violencia pra fora... e ai não sobra nada pra vida real... me diz se não é uma boa canalizar assim???
Beijos Mila

caio arroyo disse...

Concordo que a familia é o melhor exemplo, eu sempre fui maniaco por games principalmente os violentos e sempre meu pai me ensinou que aquilo era o jogo, ate uma maneira de tirar todo o stress do dia dia. A classificação serve para um aviso, agora se a crianca vai jogar ou nao quem decide são os pais.
Agora se uma crianca já tem a tendencia de fazer coisas erradas nao vai ser o jogo que vai evitar ou ajudar

Fernando Gomes disse...

Não né..
aquela notícia do cara que sequestrou a mulher foi final de carreira total..
aehwueihaw

imagina o grau de depedência de uma pessoa dessas.. ou pior.. deve ser pão duro demais pra não contratar uma empregada que faça isso por ele.

só queria saber se a mulher realmente fez as coisas que ele queria.. pq ela podia simplesmente cruzar os braços, a menos que tivesse um revólver na testa..
auehauie

abraço

Não deixe de visitar:
And I Said Goddamn!

SuperDuper disse...

Opa, opa, vi ali que minha "dupla" já comentou, mas o assunto me interessou e resolvi comentar mesmo assim. Proibir jogos por serem violentos? Ah, por favor... Quando era criança, assistia Tom e Jerry. E oq seria Tom e Jerry senão pancadaria pura? =P E não é por isso que eu saio por ai batendo nos outros hoje em dia (a)

Enfim, acho que proibir não adianta nada, até porque dificilmente algo vai deixar de ser comercializado por ter sido proibido... E, não vejo influencia nenhuma na vida de alguém, nunca vi gurizinho sair matando todo mundo depois de jogar GTA ;)


É isso.

http://lavictimaperfecta.blogspot.com/

By: Super :)

Diego Moretto disse...

Bah, como que vc quer q eu comente sendo que vc já flw tudo?? rs.

Mas é isso mesmo: não há como proibir algo do tipo, o resultado vai ser o contrário, vai isntigar ainda mais o jogador. Sou apaixonado por games, e os melhores pra mim possuem sim matanças, sangue voando e tudo o mais. Acho que um jogo pode sim causar uma certa influencia em um futuro, mas isso tudo tem a ver com uma realidade, com um meio, com uma familia, amigos... diversas coisas. Como disse, a classificação etária é um acerto... aí fica a livre arbítrio dos responsáveis, pois avisado é. No mais, fica como filme pornográfico.... uma luta para q crianças e adolescentes escodam dos olhos dos pais.. se bem que com games é mais dificil, mas não impossível.

Bom, vc não me deixou com argumentos algum para comentar, hehehehe, isso é bom. Ótimo texto.
Abraço!!

UNDERGROUND disse...

Filmes, jogos, etc não mudam a mente e não estimulam a nada....o que existe é gente desequilibrada, e sempre vai existir, independente dos "estímulos".

flw!

>>>Lis disse...

olha, cada um tem uma opinião, eu tbm acho que proibir nao iria adiantar muito, mas psicologicamente falando sem ter curso de piscologia, eu acredito sim que em ALGUMAS pessoas isso cause um efeito violento, mesmo que pequeno, já que nosso inconciente tem mais memória do que o nosso conciente. a questão é: quando ele vai por tudo a tona? um dia? nunca? nao sei. prefiro nao arriscar.
gostei do post.
Visite meu blog, tbm tem algo muito interessante.
http://lisems.blogspot.com/

StÉfAnO CoStA ~~|sC| disse...

bom, acho um absurdo ficarem se preocupando com o q jogos de violência vão fazer com a mente de uma criança, ao invés combater criminosos autamente perigosos por ai!rsr...q isso gente!!
e o tipoO de violência q as pessoas são obrigadas a ver, justamente pq "os grandes preocupados com joguinhos animados" "lavaram as mãos", pois tem coisa mais importante pra fazer, como proibir jogos violentos no brasil(como se o brasil, ja não fosse um país violento!)
bom, não sei se vai enteder e até mesmo concordar com meu ponto de vista, mas é isso q penso..hehe..aliás, se eu for colocar aqui a minha indignação...affsssss....aushaush
abração amigooooOO!
t+++

StÉfAnO CoStA ~~|sC| disse...

ahh só complementando, hehe....tem tambem a questão da idade néh!! cabe aos pais analisarem o tipo de coisa q seu filho pode e não ver, ou fazer!!

Isolado disse...

Para mim, violência é assistir o
Fantoxico...ops Fantastico!!!!!

Legal seu blog
Parabéns

• paloma disse...

ÓBVIO que nao adianta NADA proibir a venda ¬¬'
Todo mundo sabe que tudo que é proibido se torna um objeto de consumo de maior valor o.O',
ou seja,
é como cocaína.
Quem realmente quiser usar, VAI USAR, só que o preço vai ficar mais caro. só isso. :D


Mas uma coisa eu acho que é verdade;
que estimula a violencia nas pessoas, estimula sim o.O'
imagens valem mais que mil palavras :D



bejo ;*

All3X disse...

Não é simplesmente o fato de jogar certos jogos que fará com que a criança se torne violenta. Há uma série de fatores que influenciam. É preciso que toda a educação seja voltada para que, como você disse, todos possam saber que aquilo é apenas um jogo, que difere do mundo real.

Ah, gostaria de saber se está interessado em parceria. Gostei do estilo de seu blog e textos. Caso esteja, dê uma visita em meu blog e diga.

Valeu,
All3X

Ana Lucia disse...

Gostei que proibiram esses jogos, concordo com o MP quanto ao incentivo à violência

Dário Souza disse...

Acho certo proibirem quando eu tiver um filho nao vou querer que ele vire um lesado que passe dias jogando videogame isso nao acrescenta em nada na vida de alguem,se fosse um mariozinho quem sabe,mas jogar esses jogos de Arma matar e tal,eh coisa de gente idiota,pode ate ser que nao te influencie mas eu ja vi casos de pessoas que se influenciaram sim nesses jogos,nao pra sair matando alguem,mas começar a ter atos violentos por causa dos jogos

Bruno A. Wildhagen disse...

deve ser mais barato proibir os jogos do que pagar um salario decente aos policiais